ruido6.png
header.png
 
ilust_a_conf_2.png

A

CONFERÊNCIA

Vivenciamos desde 2020 uma pandemia que evidenciou, em larga escala, a não valorização da ciência e morosidade, ou inação, na adoção de medidas pautadas em evidências, por parte do Estado. Graças a uma intensa mobilização social, uma parcela considerável da população está imunizada e a tendência é de uma perspectiva de notícias melhores para o futuro, entretanto, não podemos baixar a guarda. As vacinas têm se mostrado efetivas contra as variantes, ao menos na proteção de casos mais graves, porém é essencial a manutenção do uso das máscaras e que toda a população, sem exceção, esteja vacinada com todas as doses. Só assim conseguiremos avançar rumo à tão desejada retomada da economia.

No entanto, a retomada econômica pode aumentar a pressão no nosso planeta, cujos recursos são limitados. As mudanças climáticas são uma realidade e os eventos climáticos extremos serão cada vez mais comuns. Estima-se que em 2050, só na América Latina, contaremos com 17 milhões de refugiados climáticos, pessoas forçadas a se mudar de seus lares devido aos reflexos das mudanças climáticas, segundo o relatório Groundswell, divulgado pelo Banco Central. É urgente atuarmos em todos os setores por uma transição energética focada em energias limpas e renováveis, mitigando e cessando o uso de combustíveis fósseis, visando o objetivo de nos aproximarmos da meta-limite para a manutenção da vida humana na Terra, de elevação da temperatura global, estipulada em 1,5 graus Celsius. O planeta já atingiu um aumento de 1,2 graus Celsius, em relação aos níveis pré-industriais e segundo o relatório do IPCC divulgado em agosto de 2021, o aquecimento da temperatura no planeta se dá comprovadamente em decorrência da ação antrópica, ou seja, está diretamente relacionado com a ação humana. Será preciso enfrentar questões como crises hídrica, energética e problemas estruturais de infraestrutura que historicamente atravancam o desenvolvimento da economia brasileira. 


Assim, essa retomada deve ser pautada no desenvolvimento sustentável e precisa priorizar os mais vulneráveis, promovendo políticas de combate à pobreza e ações para o enfrentamento à insegurança alimentar. Atualmente 100 milhões de brasileiros se encontram em situação de insegurança alimentar, segundo relatório da Ação de Cidadania com mais 57 organizações. Será importante atuarmos também pela promoção de políticas que favoreçam a proteção social, a proteção aos Direitos Humanos, o combate à inflação, a necessidade de priorização da educação, valorização da ciência e promoção de políticas científicas, geração de renda e recolocação para mais de 12 milhões de desempregados no Brasil.


A agenda de Integridade, transparência, ética, compliance e conformidade é outra agenda prioritária e será uma importante ferramenta de apoio às instituições públicas e privadas nesse processo. Durante o período de pandemia vimos um aumento no risco de que o cenário permitisse uma flexibilização em políticas e procedimentos de controles internos das instituições como forma de atender a necessidades urgentes por resultados. Isso gerou um alto risco de impacto negativo e reputacional na sociedade. As instituições que possuem programas de compliance robustos e priorizaram a ética e transparência em suas atuações sairão fortalecidas desse processo e com menores danos. Não podemos mais admitir que os negócios não sejam pautados pela ética e transparência, e tanto organizações quanto imprensa e a sociedade como um todo cobram e fiscalizam essa premissa junto às instituições.


As empresas têm um papel fundamental para a construção dessa retomada econômica e a agenda ESG será estratégica nesse processo. No entanto, o mercado corporativo vive um período complexo, de muitos riscos, em que resiliência e reinvenção foram necessários para que os negócios sobrevivessem. As empresas precisaram se reinventar, criar novos produtos, serviços e mudaram inclusive o seu modus operandi para garantir sua sobrevivência. Superados esses desafios, caberá às lideranças uma atuação sólida, baseadas no fortalecimento da cultura de Integridade e Compliance, pelo desenvolvimento de suas estratégias ESG, pelo fortalecimento de políticas internas que visam a promoção da diversidade e inclusão, no fortalecimento de políticas que preservem o meio ambiente e garantam que seus planos e metas, pautados pelos ODSs, sejam de fato atingidos. As empresas possuem um grande poder transformador e somente um forte engajamento das organizações privadas em prol da sustentabilidade pode pavimentar o caminho para o futuro que queremos.


Nos vemos às vésperas das Eleições 2022 e é necessário pautarmos no debate político a urgência da priorização de políticas direcionadas ao desenvolvimento sustentável. Essa será a única alternativa para avançarmos rumo a uma sociedade justa, inclusiva, verde e responsável. O caminho para esse progresso e essa sociedade passa por discussões sadias e justas, pautadas por dados e para isso se faz necessário combater o negacionismo, a desinformação, o extremismo e as ameaças ao Estado Democrático de Direito.


É nessa direção que nossa Conferência buscará contribuir. Mobilizar empresas, organizações da sociedade civil e governos para que possamos ajustar o foco, valorizar a vida, fortalecer a democracia e mudar o rumo, em direção à recuperação econômica em bases sustentáveis.

em-breve_2.png

Próximos painéis

 
titulo programação.png

P

rogramação

16/08

15h

8 anos de atuação no combate ao trabalho escravo: Instituto do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo – InPACTO

Mércia Silva, diretora-executiva do InPACTO, apresenta como tem sido a atuação do instituto e seus resultados. Ela também apresenta um panorama do trabalho escravo, hoje, no Brasil e como as empresas podem participar e apoiar.

#999CFF

18/08

16h10

Lançamento do guia: “A Responsabilidade Social das Empresas no Processo Eleitoral”

Ao longo do 1º semestre de 2022, o tema sobre a responsabilidade social empresarial em processos eleitorais foi abordado em Grupos de Trabalho temáticos de Meio Ambiente, Direitos Humanos e Integridade e combate à corrupção do Instituto Ethos. A construção do Guia contou com a parceria estratégica do escritório Maeda Ayres & Sarubbi Advogados e com a colaboração de outras empresas e organizações parceiras do Ethos, na consulta direcionada sobre as recomendações e conteúdo do documento.

#FF4730

Painéis anteriores

11/08

-

15h

#FFD654

Ball oferece: Comunicando para sustentabilidade

04/08

-

16h10

#0D3370

Lei das Estatais

02/08

-

15h

#FF4730

Panorama da pobreza menstrual no Brasil

28/07

-

15h

#999CFF

Lugar de menina é na escola! - desafios e caminhos para a educação de meninas no Brasil

26/07

-

15h

#FFD654

A inflação o aumento da desigualdade

 
fundo_palestrantes.png

Não perca nenhum detalhe!

Nos acompanhe em nossas redes e inscreva-se em nossa newsletter

eleases

R

release.png

09/08/2022 - Incorporação dos conceitos de sustentabilidade na comunicação

#0D3370

02/08/2022 - Desigualdade social e a violação de direitos: pobreza menstrual afeta a sociedade

#999CFF

26/07/2022 - Motivo de preocupação para milhões de brasileiros, o tema da inflação alta chega a Conferência Ethos

#FFD654

19/07/2022 - Conferência Ethos apresenta panorama entre a circularidade real e a reciclagem de alumínio

#FF4730

04/07/2022 - Conferência Ethos debate tema sobre a descarbonização das operações empresariais

#0D3370

27/06/2022 - Conferência Ethos lançamentos dos Indicadores ASG ocorre nesta semana

#999CFF

20/06/2022 - Conferência Ethos aborda regulamentação do Lobby no Brasil

#FFD654

13/06/2022 - Conferência Ethos: programação da semana terá participação de liderança indígena

#FF4730

06/06/2022 - Diálogo sobre violência contra os povos indígenas abre mais uma semana da Conferência Ethos

#0D3370

01/06/2022 - Conferência Ethos 22: relatório “Closing the gap” é apresentado por especialista do BHRRC no Brasil

#999CFF

26/05/2022 - Conferência Ethos 360º terá foco em temas urgentes como eleições, inclusão de refugiados e trabalho decente nas plataformas digitais

#FFD654